É no Divã de alguma ilha paradisíaca na Indonésia que Antônia, nesse momento, traduz em livro o que o blog já faz há alguns anos. Ou talvez, Aline Mazzocchi é que levou Antônia no Divã para mais uma viagem e assim fazer o que mais gosta “Dividir histórias reais que sejam inspiradoras e inquietantes”. Publicitária de São Leopoldo, 32 anos, aficionada por musicais e teorias da conspiração, ela transformou o blog no negócio da sua vida e é sobre ela que vamos saber um pouco nessa entrevista. Aline também é colunista da Rede Atlântida, do Update or Die e da Obvious Magazine.

Ovesize – O que motivou você a criar o blog Antônia no Divã?
Aline – O meu projeto surgiu como uma carta de alforria. Bem tímida na verdade. Depois de anos trabalhando com publicidade, eu me peguei voltando de uma viagem que mudou a minha vida, para trabalhar na indústria, na empresa da minha família. O perfil do negócio deixava pouquíssima (nenhuma) margem para extravasar meu lado mais criativo, então eu busquei uma válvula de escape. Eu sempre contei histórias, e coleciono o que acredito, serem algumas das mais bizarras que eu conheço. Armada de um codinome e um pouquinho de coragem eu criei o Antônia no Divã, um blog onde divido com o mundo, sessões de terapia. Com apenas três meses eu escrevi o texto “É preciso ir embora”, que botou o blog no mundo numa proporção que eu nunca imaginei. Depois disso o compromisso cresceu, e o desejo de viver disso também.

Oversize – O quê te inspira?
Aline – Pessoas me inspiram. Eu sou aquela que quando assiste sobre um bombardeio na Síria na televisão, observa as pessoas que estão em volta ajudando. Não tem nada mais implacável do que ser humano quando ele reencontra com a sua humanidade, e isso me inspira. Trocar me inspira. O blog me deu acesso a pessoas no mundo inteiro que diariamente trocam comigo carinho, informação e inquietudes. E são para estas pessoas que eu escrevo. É através delas que eu penso formas de melhorar o mundo, de melhorar a mim mesma. E claro, não tem nada mais inspirador do que sair da zona de conforto – ainda que este seja o maior clichê do mundo. É preciso ir embora! É a ação de colocar-se em situações onde saímos do automático e de fato observemos o mundo a nossa volta. Observamos, e depois botamos em prática o que aprendemos.


Oversize – Qual é a maior conquista no projeto até hoje?
Aline – A maior conquista do projeto é que hoje eu sou reconhecida por ter certa notoriedade em alguns assuntos. Os convites que recebo para opinar ou para falar envolvem muito as temáticas de mudança de vida, perseverança, relacionamentos e feminismo. E eu nunca tentei ser especialista em nenhum destes temas, então o fato de ser reconhecida de certa forma, de maneira genuína e voluntária pelas pessoas, é muito gostoso. E quando tenho a rede conectada comigo, o business segue atrás, as oportunidades vem. Sem a minha rede, não tem conquistas. Então a maior conquista, é ter a rede ligada comigo.

Oversize – Que impacto você gostaria de ter no mundo?
Aline – Acho que todo mundo quer deixar um legado, e eu já entendi que o meu é justamente conectar as pessoas com a humanidade delas. Fazê-las pensarem através dos meus textos, buscarem sentido nas suas ações, suas vidas. Eu quero deixar o mundo mais humano, onde pessoas troquem mais elogios do que farpas. Curtam mais momentos, do que postagens. Pode parecer utópico, mas acredito no poder das histórias. Acredito no poder da minha. E é ela que quero deixar para o mundo.

Oversize – Qual é o melhor conselho que você já recebeu?
Aline – Acho que o melhor conselho que eu já ouvi/engoli foi: “Pessoas talentosas tem a obrigação de dividir os seus talentos com o mundo, ou elas estarão sendo egoístas com suas próprias oportunidades”. E claro, “melhor que perfeito, é feito!”. Essas duas noções de que criatividade e evolução são partes de um processo de construção passo a passo, me ajudaram a largar mão da perfeição e daquela preocupação do que “os outros vão pensar”, e me botaram na rota da produtividade. E com produtividade, vem o aprendizado e níveis superiores de resultados.

Oversize – Qual líder reconhecido(a) que você mais admira?
Aline – Acredito que minha líder preferida hoje é a Malala por seu trabalho incansável pelo acesso a educação de meninas em uma das regiões que mais oprime e vandaliza mulheres. E educação é sem dúvidas a única forma de libertação. Admiro por seu altruísmo, até porque não é qualquer adolescente que leva um tiro na cabeça, e decide seguir lutando contra a opressão. Acho que ela é aquela heroína do povo, que queremos ver sair dos livros, e torcer por ela no mundo real. No mundo cruel e real, mas que com líderes que como Malala, um mundo que ainda tem jeito.


Nota Oversize –
Aline é uma cliente e amiga que contou com o serviço de consultoria de marketing para pessoas da Oversize e hoje faz de seu talento sua forma de vida. 

Um Comentário

  1. Mirele Ferrareze

    Parabéns Aline.
    Parabéns também a Oversize.
    Sei que vocês proporcionaram os meios com a mídia, para que a Aline pudesse liberar todo o seu talento.
    É bom saber que ainda existem pessoas vivendo de forma a deixar o mundo melhor. Contribuir com o outro, e não viver só em torno de si e de seus próprios interesses.
    É isso que nos diferencia e nos faz pessoas melhores. Pessoas que marcam positivamente sua estadia aqui na terra.
    Sucesso Aline.
    Que esse amor se expanda em seu coração. E você venha ser totalmente guiada por Deus.

Deixar um Comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *.